ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO

Emilie de Oliveira COSTA, Beatriz Luísa Guedes COELHO, Gilvane de Lima ARAÚJO, Marcielly Dayanne Gomes FERREIRA, Maria Beatriz Ribeiro OLIVEIRA, Matheus Falcão Santos MARINHO

Resumo


O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença inflamatória crônica de origem autoimune com prevalência em mulheres jovens, sua apresentação clínica é polimórfica, o que, em fases iniciais, pode dificultar o diagnóstico precoce. Elaborado mediante emprego de pesquisa bibliográfica, esse estudo teve por objetivo analisar as causas para origem do Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES), verificando os principais sinais, sintomas e características, tendo em vista tratar-se de uma doença crônica que afeta na maioria das vezes mulheres jovens. O ponto culminante do tratamento dos dados realizado pelo método dedutivo consiste em atender as necessidades dos portadores dessa doença, procurando de forma objetiva buscar a melhoria na qualidade de vida do paciente. Ressaltando a importância da fisioterapia no tratamento da doença, destacando principalmente os benefícios a melhora dos sintomas causados pela doença, a diminuição das dores e a melhoria da qualidade de vida do portador da LES. A hipótese norteadora foi às diferentes formas de intervenção capazes de promover redução da fadiga, da dor e de outros agravos causados pela doença, sendo assim o motivo principal para elaboração desse estudo, tendo em vista a necessidade do cuidado especial com a abordagem de várias técnicas fisioterapêuticas essências no tratamento, aspecto revelador da importância do assunto para o âmbito da saúde. 

Palavras-chave: Fisioterapia; Lúpus eritematoso sistêmico; qualidade de vida.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, C. T. et al. Abordagem fisioterapêutica ao portador de lúpus eritematoso sistêmico: relato de caso. Rev Bras Cienc Saúde, v. 16, n. 2, p. 109-14, 2012.

APARICIO, V. A. et al. Handgrip strength test as a complementary tool in the assessment of fibromyalgia severity in women. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, v. 92, n. 1, p. 83-88, 2011.

BORBA, E. F. et al. Consenso de lúpus eritematoso sistêmico. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 48, n. 4, p. 196-207, 2008.

DANNO, A. Y. K. Drenagem linfática em edema de membros inferiores. Revista Científica do Unisalesiano, Lins, v. 1, n. 1, p.1-15, 2014.

DEL CASTILLO, L. A. E. Lupus eritematoso sistémico y actividad física: una alternativa en calidad de vida. Movimiento Científico, v. 12, n. 2, p. 47-54, 2018.

GAVA, A. T.; DE OLIVEIRA, J. B. Os benefícios da fisioterapia respiratória e do método Pilates sobre a função pulmonar em uma voluntária portadora de Lúpus Eritematoso Sistêmico: estudo de caso. Revista de Trabalhos Acadêmicos da FAM, v. 2, n. 1, 2017.

HAHN, B.H.: Pathogenisis of Systemic Lupus Erythematosus. In: KELLEY, W. N.; HARRIS, J. E. D.; RUDDY, S.; SLEDGE, C. B. Textbook of Rheumatology Vol 2. Fifth Edition. Philadelphia, 1997, p. 1089-103.

JORGE, M. S. G.; COMIN, J. D. P.; WIBELINGER, L. M. Intervenção fisioterapêutica em um indivíduo com artrite reumatoide, lúpus eritematoso sistêmico e Síndrome de Sjögren: relato de caso. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, v. 15, n. 2, p. 231-237, 2016.

LEDUC, A.; LEDUC, O. Drenagem linfática: teoria prática. 2. ed. Barueri: Manole, 2007.

LIBERALINO, E. S. T.; DE SOUSA, T. C. C.; DA SILVA, V. R. L.. Influência dos exercícios do método Pilates sobre o sistema cardiorrespiratório. Revista Brasileira de Educação e Saúde, v. 3, n. 3, 2013.

LINDE, K. et al. How large are the nonspecific effects of acupuncture? A meta-analysis of randomized controlled trials. Bmc Medicine, v. 8, n. 1, p. 1-14, 2010.

LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO (LES). Sociedade Brasileira de Reumatologia. 2019. Disponível em: Acesso em: 20 de maio de 2021

MARTINEZ, E. C. Análise comparativa de dados clínicos do lúpus eritomatoso sistêmico e abordagem fisioterapêutico. Fisioterapia Brasil, v. 5, n. 2, p. 142-147, 2004.

MORAN, M., DUBESTER, S.: Connective Tissue diseases. In: STOUDEMIRE, A.; FOGEL B. S.: Psychiatric Care of the Medical Patient. New York, Oxford University Press, 1993, p. 739-45.

MYRA, R. S. et al. Kinesiotherapy for quality of life, pain and muscle strength of rheumatoid arthritis and systemic lupus erythematosus patient. Case report. Revista Dor, v. 16, n. 2, p. 153-155, 2015.

NERY, F. G.; BORBA, E. F.; NETO, F. L. Influência do estresse psicossocial no lúpus eritematoso sistêmico. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 44, n. 5, p. 355-361, 2004.

PEREIRA, M. G.; DUARTE, S. Fadiga intensa em doentes com Lúpus Eritematoso Sistémico: estudo das características psicométricas da escala da intensidade da fadiga. Psicologia, saúde e doenças, v. 11, n. 1, p. 121-136, 2010.

PERES, J. M. C.; TEDDE, P. F. B.; LAMARI, N. M.. Fadiga nos portadores de lúpus eritematoso sistemático sob intervenção fisioterapêutica. Mundo saúde, v. 30, n. 1, p. 141-5, 2006.

POLESE, J. C. Lúpus Eritematoso sistêmico (LES). In: WIBELINGER, L.M. Fisioterapia em Reumatologia. 1. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2009, cap. 07, p. 124-137.

SATO, E. I. et al. Consenso brasileiro para o tratamento do lúpus eritematoso sistêmico (LES). Rev Bras Reumatol, v. 42, n. 6, p. 362-70, 2002.

SKARE, T. L. Reumatologia: Princípio e prática. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p.335, 2007.

VIEIRA, A.C.A. Cuidados fisioterapêuticos em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico. 2018. 26 f. Trabalho de Conclusão de Curso - Universidade de Uberaba, Minas Gerais, 2018.




Revista Diálogos em Saúde

ISSN: 2596-206X

Centro Universitário Uniesp

Rodovia BR 230, Km 14, s/n, Morada Nova. Cabedelo - PB. CEP 58109-303