SALIVA E HIDRATAÇÃO: IMPORTÂNCIA DA QUANTIDADE E DA QUALIDADE DA SALIVA PARA MANUTENÇÃO DA CONDIÇÃO BUCAL SATISFATÓRIA EM PACIENTES COM PARALISIA CEREBRAL

Everton Diego Araújo de Lima, Aline Guimarães Loewenbach Facundo, Ana Carolina Lustosa de Carvalho, Emanuelly Belarmino da Silva, Camila Figueiredo Gomes, Glória Maria Pimenta Cabral

Resumo


A paralisia cerebral é caracterizada por alterações dos movimentos controlados ou posturais dos pacientes, sendo secundária a uma lesão, danificação ou disfunção do sistema nervoso central (SNC). As sequelas são variáveis em intensidade e localização e o paciente com paralisia cerebral enfrenta uma variedade de dificuldade, entre elas, limitações do desenvolvimento motor dos órgãos fonoarticulatórios, que impedem a utilização adequada destes órgãos na alimentação e consequentemente prejuízos significativos da função salivar. Sabendo que a análise da saliva é uma opção para o diagnóstico e monitoramento da evolução de determinadas patologias, este trabalho objetivou a realização de uma revisão de literatura que relaciona as principais alterações sialométricas e sialoquímicas de pacientes com paralisia cerebral e seus efeitos na saúde bucal, de modo que foram analisadas informações a respeito das características da saliva de pacientes com paralisia cerebral, em artigos publicados em periódicos da literatura nacional e internacional. Portanto, a presente revisão concluiu que os estudos analisados apontam que indivíduos com paralisia cerebral e com grave comprometimento motor e oral apresentam alterações na composição salivar, maiores valores de osmolaridade e diminuição do fluxo, o que os expõem a maior risco problemas bucais, principalmente a uma maior atividade de cárie dental.


Texto completo:

PDF


Revista Campo do Saber

ISSN: 2447-5017

Centro Universitário Uniesp

Rodovia BR 230, Km 14, s/n, Morada Nova. Cabedelo - PB. CEP 58109-303