CARACTERIZAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE – APP, LOCALIZADO NO MÉDIO CURSO DO RIO PARAÍBA DO NORTE, MUNICÍPIO DE ITABAIANA - PB

Mariana N. de Moraes, Ruan B. B. dos Santos, Sidcléa S. de Freitas, Williams S. G. de Lima

Resumo


O acelerado e intenso processo de urbanização das cidades, em especial à das cidades ribeirinhas, motivou a implementação de áreas que são ambientalmente preservadas no Brasil. Essa implementação, que sofreu fortes influências internacionais, vem ocorrendo desde o início da década de 30, mas apenas com a medida provisória nº 2.166-67 de 2001 que essas áreas passaram a ser denominadas como Áreas de Proteção Permanente -APP. Para o novo código florestal brasileiro, essas áreas são de suma importância para a manutenção da vegetação de determinadas áreas, em especial àquelas APPs que estão localizadas próximas a rios, lagos ou nascentes, já que a preservação e manutenção da vegetação dessas áreas influi na quantidade e qualidade da água ali existente. Neste contexto, o presente estudo teve como objetivo a caracterização de área ao longo do trecho do Rio Paraíba que banha a cidade de Itabaiana-PB, no qual destacou-se as áreas de preservação ali existentes, escolhendo uma determinada Área de Proteção Permanente, onde através do software Google Earth Pro e de visitas in loco, foi possível realizar sua delimitação e análise ambiental. Através da análise ambiental, pôde-se identificar, ações de contaminação antrópicas, degradação do solo, acúmulo de resíduos. Tendo em vista a falta de fiscalização por parte dos poderes públicos municipais, bem como as possíveis medidas referentes a restauração dessa área.

 

Palavras-chave: Código florestal brasileiro; Degradação ambiental; Restauração; Reflorestamento.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, T. V. S. Impacto da degradação ambiental sobre a ictiofauna do estuário do Rio Paraíba. 2011. 79f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

AZEVEDO, R. E. S.; OLIVEIRA, V. P. V. Reflexos do novo Código Florestal nas Áreas de Preservação Permanente – APPs – urbanas. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, v.29, n. 1, p. 71-91, abr. 2014.

BORGES, L. A. C.; REZENDE, J. L. P.; PEREIRA, J. A. A.; JUNIOR, L. M. C.; BARROS, D. A. Áreas de preservação permanente na legislação ambiental brasileira. Ciência Rural, Santa Maria, v. 41, n. 7, p. 1202—1210, jul. 2011.

BRASIL. Lei nº 12.651 de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF mai./2012. [citado em 2018]. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2018.

BRASIL. Decreto Federal nº 23.793 de 23 de janeiro de 1934. Decreta o código florestal. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, jan./1934. [citado em 2018]. Disponível em: . Acesso em: 15 de novembro de 2018.

CORRÊA, A. C.; TAVARES, B. A. C. Análise geomorfológica e sedimentológica do gráben de Cariatá, Paraíba. In: CONGRESSO DA ABEQUA., 10., Anais de Trabalhos Completos. Guarapari, 2005, p.41-47.

DONAGEMA, G. K. Manual de métodos de análise de solos / organizadores. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Embrapa, 2011. 230 p.

DUARTE, S. M. A.; BARBOSA, M. P. Estudo dos recursos naturais e as potencialidades no semiárido, estado da Paraíba. Engenharia Ambiental, Espírito Santo do Pinhal, v. 6, n. 3, p. 168–189, set./dez. 2009.

EMBRAPA. Medidas para o controle de fatores de degradação ambiental. 2018. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2018.

FREITAS, E. P.; MORAES, J. F. L.; FILHO, A. P.; STORINO, M. Indicadores ambientais para áreas de preservação permanente. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 17, n. 4, p. 443–449, abr. 2013.

GOOGLE. Software Google Earth Pro. Acesso em: 12 nov. 2018.

GUEDES, L. S. Monitoramento geoambiental do estuário do Rio Paraíba do Norte -PB por meio da cartografia temática digital e de produtos de sensoriamento remoto. 2002. 77f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2002.

IBGE. Brasil em síntese: Paraíba – Itabaiana panorama. 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2018.

JACOVINE, L. A. G.; CORRÊA, J. B. L.; SILVA, M. F.; VALVERDE, S. R.; FILHO, E. I. F.; COELHO, F. M. G.; PAIVA, H. N. Quantificação das áreas de preservação permanente e de reserva legal em propriedades da bacia do Rio Pomba – MG. Revista Árvore, Viçosa, v. 32, n. 2, p. 269–278, mar/abr. 2008.

LORENZETTI, S.; ARAÚJO, S. Legislação federal de interesse urbanístico: o estatuto da cidade é suficiente? In: CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO URBANÍSTICO, 2., 2002, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: Editora Evangraf, 2002.

LOURENÇO, J. C.; ALENCAR, J. L.; VASCONCELOS, R. F. V.; VALE, Y. M. A. L. Identificação de fatores de vulnerabilidade ambiental na floresta do Louzeiro em Campina Grande – PB. Polêmica, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 274–283, abr/jun. 2013.

LOUZADA, F. L. R. O. Proposta de corredor ecológico para interligação dos parques estaduais de Forno Grande e Pedra Azul -ES, utilizando geotecnologias. 2010. 122f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade Federal do Espírito Santo, Jerônimo Monteiro, 2010.

MACHADO, K. J. Desenvolvimento de uma metodologia para delimitação automática de áreas de preservação permanente utilizando sistema de informação geográfica. 2010. 83f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2010.

MEDEIROS, J. D. A demarcação de áreas de preservação permanente ao longo dos rios. Revista Biotemas, Santa Catarina, v. 26, n. 2, p. 261-270, jun. 2013.

MOREIRA, A. A.; SOARES, V. P.; RIBEIRO, J. C.; SILVA, E.; RIBEIRO, C. A. A. S. Determinação de áreas de preservação permanente em uma microbacia hidrográfica a partir de fotografias aéreas de pequeno formato. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 11., 2003, Belo Horizonte. Anais Eletrônicos. São José dos Campos: INPE, 2003. p. 1381-1389.

NASCIMENTO, M. C.; SOARES, V. P.; RIBEIRO, C. A. A. S.; SILVA, E. Delimitação automática de áreas de preservação permanente (APP) e identificação de conflito de uso da terra na bacia hidrográfica do rio Alegre. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 12., 2005, Goiânia. Anais... Goiânia: INPE, 2005. p. 2289–2296.

NETO, T. F. S. Descrição da desertificação do solo no bairro Petrópolis, município de Pombal – PB. 2014. 25f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura Plena em Geografia) – Universidade Estadual da Paraíba, Pombal, 2014.

OLIVEIRA, A. M. S. Impacto econômico da implantação de áreas de preservação permanente na bacia do Rio Alegre, município de Alegre – ES. 2005. 62f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2005.

PEREIRA, D. G. S. P.; PANARELLI, E. A.; PINHEIRO, L. S.; GONÇALVES, A. V. M.; PEREIRA, L. P. Environmental protection areas: the case of the Bebedouro Stream Watershed. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 105-126, jan./mar. 2017.

RIBEIRO, C. A. A. S.; OLIVEIRA, M. J.; SOARES, V. P.; PINTO, F. A. C. Delimitação automática de áreas de preservação permanente em topos de morro e em linhas de cumeada: metodologia e estudo de caso. In: SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO E SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS APLICADOS À ENGENHARIA FLORESTAL, 5., 2002, Curitiba. Anais... Curitiba: FUPEF, 2002.

RURALNEWS. Escarificador. 2017. Disponível em: http://www.ruralnews.com.br/ visualiza.php?id=970 . Acesso em: 21 de novembro de 2018.

SANTOS, P. M.; SANTOS, A. P. Área de Preservação Permanente e Reserva Legal: pontos principais aplicados à engenheiros agrimensores. Notas de Aula, 2011, Viçosa. Disponível em . Acesso em 12 nov. 2018.

SCHIMITH, R. F.; VIEIRA, E. M.; XAVIER, F. V.; OLIVEIRA, J. C.; FILHO, E. I. F. Identificação de áreas de preservação permanente e monitoramento utilizando imagens Aster. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEÓGRAFOS, 6, 2004, Goiânia. Anais... Goiânia: UFG, 2004.

SILVA, W. M.; KUNZ, S. H.; BIGHI, K. N. Avaliação e monitoramento de projeto de restauração de áreas de preservação permanente, por meio de plantio aleatório de espécies pioneiras e não-pioneiras, no munícipio de Alegre, ES. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL, 2., 2012, Guarapari.

SILVA, J. A. A. et al. O Código Florestal e a Ciência: contribuições para o diálogo. São Paulo: Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência; Academia Brasileira de Ciências, 2011. 124 p.

SILVA, L. M. T. Nas margens do Rio Paraíba do Norte. Revista Cadernos do Logepa: Série Texto Didático, v. 2, n. 4, jul./dez. 2003.

VICTORIA, D.C.; HOTT, M.C.; MIRANDA, E.E.; OSHIRO O.T. Delimitação de Áreas de Preservação Permanente em topos de morros para o território brasileiro. Revista Geográfica Acadêmica, v.2 n.2, p. 66-72, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Acta Scientia

ISSN: 2596-2078

Centro Universitário Uniesp

Rodovia BR 230, Km 14, s/n, Morada Nova. Cabedelo - PB. CEP 58109-303