FREE FIRE: GAMIFICAÇÃO COMO PROPOSTA DE FERRAMENTA DE APOIO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL DO BAIXO TOCANTINS/CAMETÁ/PA

Kleiton de Souza Borges, Renata Evelym Cota Corrêa

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar a influência e colaboração da gamificação através do objeto de estudo chamado Free Fire como um jogo móvel online no ensino-aprendizagem da Língua Inglesa. As discussões teóricas acerca deste trabalho abordam assuntos sobre gamificação (KARL KAPP, 2012; MCGONIGAL, 2011), recursos didáticos tecnológicos (MENDONÇA, 2015; ERSTAD, 2005) e jogos digitais (NASCIMENTO, 2008; GEE, 2003). A pesquisa é estudo de caso, de caráter exploratório e de cunho quanti-qualitativa, que ocorreu em uma escola do ensino fundamental do Baixo Tocantins, no município de Cametá. Para obter a coleta de dados, foi utilizado um questionário misto, o qual foi respondido individualmente, bem como os relatos das experiências dos alunos durante nosso encontro, falando sobre a pesquisa, o qual utilizamos bloco de notas para anotações. Os resultados mostraram o engajamento que o Free Fire conseguiu trazer de forma significativa para o processo de ensino-aprendizagem da Língua Inglesa. Por meio dos relatos e do questionário misto, os alunos destacaram sua melhora em relação às habilidades linguísticas, tais como; a leitura, a escrita e a fala. Além disso, os educandos defendem a questão que os jogos podem estimulá-los a aprenderem inconscientemente, motivando-os durante seu processo de aprendizagem. Assim, é preciso levar em consideração as oportunidades que os recursos tecnológicos, bem como os jogos digitais, podem nos oferecer para contribuir com a atuação dos alunos no processo de ensino-aprendizagem da Língua Inglesa.

Palavras-chave: gamificação; Free Fire; jogos digitais; recursos tecnológicos; ensino-aprendizagem.


Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, Célio José; NEVES, Lisandra Olinda Roberto. O Lúdico nas interfaces das relações educativas. Revista de Pedagogia, v. 6, nº 12, 2005.

BORGES, Kleiton de Souza. Aprendizagem de língua inglesa mediada por sítios: uma atividade promovida em um centro de autoacesso. 2018. 137 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Repensando a pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1984.

CHEN, Hao-Jan Howard; YANG, Ting-Yu Christine. The impact of adventure video games on foreign language learning and the perceptions of learners, Interactive Learning Environments. Edutainment 2011 Conference, v.21, p. 129-141, 2013.

ERSTAD, Ola. Digital kompetanse i skolen: en innføring. Universitetsforl., 2005.

GEE, James Paul. Espaços de afinidade. Linguagem e aprendizagem situadas: uma crítica à escolarização tradicional. p. 77-83, 2004.

KAPP, Karl M. A gamificação da aprendizagem e da instrução: métodos e estratégias baseasas em jogos para a formação e educação. São Francisco: Pfeiffer, 2012.

KENSKI, Vani Moreira. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas, SP: Papirus, 2012.

MCGONIGAL, Jane. A realidade está quebrada: por que os jogos nos tornam melhores e como eles podem mudar o mundo. Pinguim, 2011.

MENDONÇA, Jéssica Teixeira de. Refletindo sobre o ensinar na escola pública: uma história de integração de tecnologias digitais às aulas de inglês no ensino fundamental II. 2015. 194 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Instituto de Letras e Linguística, Universidade Federal de Urbelândia, Urbelândia, 2015.

MESQUITA, Sandra Valéria Dalbello de. Aprendizagem de língua inglesa mediada por tecnologia: aplicativos para dispositivos móveis. 2018. 92 f. Dissertação (Mestrado em Metodologias para o ensino de Linguagens e suas Tecnologias). Universidade Norte do Paraná – UNOPAR, Londrina, 2018.

NASCIMENTO, Cecília Eller Rodrigues. O jogo na aula de língua estrangeira: espaço aberto para manifestação do eu. ALFA: revista de linguística. v. 52, nº 1. p. 149-156, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2023.

NICHOLLS, Susan Mary. Aspectos pedagógicos e metodológicos do ensino de inglês. Maceió: EDUFAL, 2001.

PRENSKY, Mark. Digital Game-Based Learning. United States: Paragon House, edition 2007.

RILEY, David. Novo relatório do The NPD Group fornece uma visão detalhada da população de jogadores do Brasil. Grupo NPD. Washington , pág. 1-1, 2015. Disponível em: . Acesso em: 26 abr. 2022.

RODRIGUES, Claudia Rodrigues; VALADARES, Marcus Guilherme Pinto de Faria. Princípios de aprendizagem de jogos eletrônicos: Gameficando a aula de línguas. Revista Horizontes de Linguística Aplicada, v. 13, p. 41-61, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2023.

SABOTA, Barbra; PEREIRA, Ariovaldo Lopes. O uso de ferramentas tecnológicas em ambientes de aprendizagem: critérios para avaliação de materiais de ensino em formato digital. Caminhos em Linguística Aplicada, v. 16, n. 2, p. 44-62, 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2023.

SILVA, Yuri do Nascimento Farias da. Um guia para a criação de jogos digitais para aprender inglês. 2019. 53 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Ciência da Computação). Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2019.

ZACHARIAS, Valéria Ribeiro de Castro. Tecnologias para aprender. 1. Ed. – São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

ZICHERMANN, Gabe; CUNNINGHAM, Christopher. Gamification by Design: Implementing Game Mechanics in Web and Mobile Apps. O'Reilly Media, Inc., 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Campo do Saber

ISSN: 2447-5017

Centro Universitário Uniesp

Rodovia BR 230, Km 14, s/n, Morada Nova. Cabedelo - PB. CEP 58109-303