PERCEPÇÃO SOBRE O USO DAS REDES SOCIAIS E O BEM-ESTAR SUBJETIVO EM ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS

Hugo Thaynan da Silva Araújo, Mary Dayane Souza Silva, Adriana Sousa Silva

Resumo


O uso das redes sociais tem facilitado a comunicação direta e indireta entre as pessoas, seja no âmbito profissional, seja no acadêmico, seja no pessoal. Tal interação pode influenciar a maneira como os indivíduos definem a satisfação com a sua vida e, consequentemente, seu bem-estar. Este estudo tem o objetivo de analisar o uso das redes sociais e o bem-estar subjetivo em estudantes universitários do alto sertão Paraibano. A amostra foi composta por 100 estudantes universitários de graduações distintas de uma instituição pública no alto sertão da Paraíba. A coleta dos dados ocorreu de forma quantitativa e qualitativa por meio da técnica de associação livre de palavras (TALP) e da Escala de bem-estar subjetivo (EBES) validada por Albuquerque e Tróccoli (2004). Os dados foram obtidos por meio de um questionário online, enviado aos universitários pelas redes sociais, e analisados a partir dos softwares IRAMUTEQ, e SPSS, versão 7 e 21, respectivamente. Os resultados indicam o uso das redes sociais pelos alunos como ferramenta de comunicação, informação e propagação de conhecimento e sua relação com o bem-estar subjetivo como uma construção de julgamentos do próprio individuo sobre sua felicidade e satisfação com a vida. Ademais, acredita-se que as redes sociais são capazes de influenciar no bem-estar subjetivo dos universitários, de forma tanto positiva quanto negativa, pois a satisfação destes com a vida pode sofrer influência a partir do que é visto e postado nas redes sociais, seja por este ou por aqueles que integram seu ciclo social.

Palavras-chave: Redes Sociais; Bem-Estar; Bem-Estar Subjetivo; Universitário.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, A. S.; TRÓCOLLI, B. T. Desenvolvimento de uma escala de bem-estar subjetivo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, vol.20, nº.2, Brasília, Mai/Ago, 153-164, 2004.

COSTA, R. Por um novo conceito de comunidade: redes sociais, comunidades pessoais, inteligência coletiva. Revista Interface – Comunicação, Saúde, v. 9, n. 17, p. 235-48, mar./ago. 2005.

SILVA, J. V.; SOUZA, P. A. R. O Ambiente de Gestão de Microempresas: uma análise a partir do software IRAMUTEQ. REVISTA DE TECNOLOGIA APLICADA, v. 8, n. 3, p. 54-66, 2020. Disponível em: http://www.cc.faccamp.br/ojs-2.4.8-2/index.php/RTA/article/view/1216. Acesso em: 21 nov.2020.

GALINHA, I.; RIBEIRO, J. L. P. História e evolução do conceito de bem-estar subjetivo. Psicologia, Saúde e Doenças, 6 (2), 203-214, 2005.

GIACOMI, C. H. (2004). Bem-estar Subjetivo: em busca da qualidade de vida. Temas em Psicologia. Universidade Federal de Santa Maria. Vol.12, nº 1, p. 43 – 50.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GUEDEA, M. T. D. et al. Relação do bem-estar subjetivo, estratégias de enfrentamento e apoio social em idosos. Psicologia: reflexão e crítica, v. 19, n. 2, p. 301-308, 2006.

KAUARK, F.; MANHÃES, F.C.; MEDEIROS, C.H. Metodologia da pesquisa: um guia prático. Itabuna: Via Litterarum, 2010.

MACHADO, J. R.; TIJIBOY, A. V. Redes Sociais Virtuais: um espaço para efetivação da aprendizagem cooperativa. In: Revista Novas tecnologias na educação. Volume 3. Número 1. CINTED- Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2005.

MINAYO, M. C. S. (Org); DESLANDES, S. F.; CRUZ, O. C.; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. In: Pesquisa social: teoria, método e criatividade. p. 95, 2016.

MIZRUCHI, M. S. Análise de redes sociais: avanços recentes e controvérsias atuais. RAE-revista de administração de empresas, v. 46, n. 3, p. 72-86, 2006.

ROVER, A.; PEREIRA, D. D. S. Diretrizes para elaboração de trabalhos científicos. 1. ed. Joaçaba: Unoesc, 2013.

SILVA, T.; AMARAL, Y. Criando personas e ilustrações. In: SILVA, T.; STABILE, M. (Orgs.). Monitoramento e Pesquisa em Mídias Sociais: Metodologias, aplicações e inovações. São Paulo: Uva Limão, 2016.

SILVA, M. D. S.; RPAZZI, A.; SOUSA, F. R. L.; SILVA, G. B.; FRADE, C. M. Percepção docente sobre inveja, bem-estar subjetivo e saúde mental: um estudo exploratório em instituições de ensino superior públicas. Revista Brasileira de Administração Científica, v. 11, n. 2, p. 66-80, 2020.

SILVA, M. D. S.; ROAZZI, A. Bem-Estar Subjetivo e Saúde Mental como Preditores da Inveja Docente em Instituições de Ensino Superior Públicas. Revista FSA, v. 17, n. 5, p. 157-182, 2020.

SIQUEIRA, M. M. M.; PADOVAM, V. A. R. Bases teóricas de bem-estar subjetivo, bem-estar psicológico e bem-estar no trabalho. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 24, n. 2, p. 201-209, 2008.

VAZ, W. F.; RIBEIRO, E. B. V.; SOARES, M. H. F. B. A Rede Social e suas Possibilidades de Interação e Ensino: a visão dos moderadores. Educação, Formação & Tecnologias-ISSN 1646-933X, v. 9, n. 2, p. 66-80, 2016.

WOYCIEKOSKI, C.; STENERT, F.; HUTZ, C. S. Determinantes do bem-estar subjetivo. Psico, v. 43, n. 3, p. 280-288, 2012.

ZANON, C. et al. COVID-19: implicações e aplicações da Psicologia Positiva em tempos de pandemia. Estudos de Psicologia (Campinas), v. 37, 2020.




Revista Campo do Saber

ISSN: 2447-5017

Centro Universitário Uniesp

Rodovia BR 230, Km 14, s/n, Morada Nova. Cabedelo - PB. CEP 58109-303