A IMPORTÂNCIA DO ATENDIMENTO DO PÚBLICO SURDO NO SETOR COMERCIAL: A VISÃO DOS COLABORADORES

Dayane Maximiano de Arruda, Ana Flávia Borba Coutinho, Marcio de Lima Coutinho, Luciano Lima da Silva

Resumo


O presente artigo apresenta como objetivo geral analisar a importância do atendimento ao público surdo no setor comercial, na perspectiva dos colaboradores. Para o alcance desse objetivo adotou-se como metodologia uma pesquisa do tipo descritiva, de campo com uma abordagem multimétodo, a qual participaram 83 colaboradores com idade variando entre 18 a 66 anos, sendo a maioria do sexo feminino (55,4%), exercendo funções de atendentes (16,9%), e gerentes e recepcionistas (14,5%). Para a coleta de dados fez-se uso de um questionário composto por 12 perguntas, que ficou disponível no google forms durante o período de 15 dias. Os resultados apontaram ausência de estratégias no meio comercial para atender esse grupo de pertença. Outro dado significativo foi que a maior parte dos participantes conhecem a LIBRAS, porém não sabem utilizá-la. Contudo, grande parte dos participantes declararam ter interesse em aprender esta língua devido à importância dela no atendimento inclusivo. Desta forma, o presente estudo traz dados significativos referentes ao atendimento oferecido aos surdos, alertando aos empresários para o desenvolvimento de novas estratégias para serem adotadas para o atendimento de pessoas surdas.

Palavras-chave: Atendimento comercial. Cliente surdo. Acessibilidade. Melhoramento de atendimento.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Nubia Regia de; SOUSA, Liliane Barbosa de; LEAL, Ranieri. O atendimento aos surdos no setor comercial de Araguaína – TO. 2020. Revista Philologus, ano 25, n. 75. Rio de Janeiro: CiFEFiL, set./dez.2019. Disponível em: http://www.filologia.org.br/rph/ANO25/75supl/144.pdf. Acesso em: 24 maio 2020.

BARBOSA, Maria Alves; OLIVEIRA, Márcia Arimatéa de; SIQUEIRA, Karina Machado; DAMAS, Keyti Cristine Alves; PRADO, Marinésia Aparecida do. Língua brasileira de sinais: um desafio para a assistência de enfermagem. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 11, p. 247-251, 2003. Disponível em: https://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/17732#:~:text=Reposit%C3%B3rio%20da%20Universidade%20Federal%20de,para%20a%20assist%C3%AAncia%20de%20enfermagem&text=Resumo%3A,a%20rela%C3%A7%C3%A3o%20com%20outros%20indiv%C3%ADduos. Acesso em: 24 maio 2020.

BARDIN, Laurence. Análise do conteúdo. Tradução Luis Antero Reto e Augusto Pinheiro. Edições 70. São Paulo, 2011.

BOND, Letycia. Surdos enfrentam dificuldade para atendimento em saúde. In: AGENCIA BRASIL. Brasília, 2019. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2019-10/surdos-enfrentam-dificuldade-para-atendimento-em-saude. Acesso em: 24 nov. 2020.

BRASIL. Decreto nº 5.296 de 02 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 08 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário oficial da União: Brasília, 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm. Acesso em 01 jun. 2020.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário oficial da União: Brasília, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 01 jun. 2020.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Diário oficial da União: Brasília, 2002. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm#:~:text=Disp%C3%B5e%20sobre%20a%20L%C3%ADngua%20Brasileira,Art. Acesso em 01 jun. 2020.

BRASIL, Senado Federal. Língua brasileira de sinais “uma conquista histórica”. Brasília: Secretaria Especial de Editoração e Publicações, 2006. 43 p. Disponível em: http://www.artelibras.com.br/ewadmin/download/Lingua_Brasileira_de_Sinais_Uma_Conquista_Historica.pdf. Acesso em: 01 jun. 2020.

CHAVEIRO, Neuma; BARBOSA, Maria Alves; PORTO, Celmo Celeno. Revisão de literatura sobre o atendimento ao paciente surdo pelos profissionais da saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 578-583, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080-62342008000300023&script=sci_abstract&tlng=pt . Acesso em 03 jun 2020.

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas: O novo papel dos recursos humanos nas organizações. 4ª edição. Barueri: Manole, 2014

COSTA, Maria da Piedade Resende da. O Deficiente auditivo. São Carlos: EDU FSCar. 1994.

GIL, Antônio Carlos. Gestão de Pessoas: enfoque em papeis profissionais. 1ª edição. São Paulo: Atlas 2011.

IBGE. Censo Demográfico de 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/joao-pessoa/pesquisa/23/23612?detalhes=true. Acesso em: 01 abril 2020.

ISAAC, Myriam de Lima; MANFREDI, Alessandra da Silva Kerli. Diagnóstico precoce da surdez na infância. Medicina (Ribeirão Preto), v. 38, p. 235-244, 2005. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/449/449. Acesso em: 01 jun. 2020.

KOTLER, Philip; KARTAJAYA, Hermawan; SETIAWAN, Iwan. Marketing 4.0: do tradicional ao digital. Rio de Janeiro: Sextante, 2017. Lewis DR. As habilidades auditivas do recém-nascido e a triagem auditiva neonatal.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

LOBATO, Lak. Desculpe, não ouvi! São Paulo: Atitude Terra, 2014. Resenha de: FERNANDES, Fernanda Santos. Revista Interface – Integrando Fonoaudiologia e Odontologia, v.1, n. 1, jan./jul. 2020. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:LKi2lzDBYz0J:www.revistas.uniflu.edu.br:8088/seer/ojs-3.0.2/index.php/interface/article/download/256/154/+&cd=4&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em: 01 nov. 2020.

LODI, Ana Claudia Balieiro. Educação bilíngue para surdos e inclusão segundo a Política Nacional de Educação Especial e o Decreto n. 5.626/05. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 51-53, 2013. Disponível em: https://attena.ufpe.br/bitstream/123456789/22842/1/SILVA%252c%20RENATA%20PRISCILA%20ALVES%20DA.pdf. Acesso em: 01 jun. 2020.

NASCIMENTO, Solange Maria Cardoso Carrion do. LIBRAS: língua brasileira de sinais e as possibilidades de comunicação que oferece à pessoa com surdez. Revista acadêmica online, v. 4, nº 20, maio/jun, 2018. Disponível em: https://www.revistaacademicaonline.com/textos-academicos/edicoes-2018/v-iv-n-20-mai-jun-2018/. Acesso em: 01 jun. 2020.

ONU – ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. 1948. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris por meio da Resolução 217 A (III). Disponível em: http://www.ouvidoria.defensoriapublica.pr.gov.br/arquivos/File/Legislacao/declaracao.pdf. Acesso em: 30 nov. 2020.

PEIXOTO, Renata Castelo. Algumas considerações sobre a interface entre a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) e a Língua Portuguesa na construção inicial da escrita pela criança surda. Caderno Cedes, Campinas, vol. 26, nº 69, 2006, p. 206. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ccedes/v26n69/a06v2669.pdf. Acesso em: 30 nov. 2020.

RIBEIRO, Rafaella de Oliveira Canquerino; FESTA, Priscila Soares Vidal. Aspectos da comunicação do sujeito surdo e a sua inclusão na sociedade. Memorial TCC – Caderno da Graduação, v. 3, n. 1, p. 529-539, 2017. Disponível em: https://memorialtcccadernograduacao.fae.edu/cadernotcc/article/view/208. Acesso em: 30 nov. 2020.

SCHELLES, S. A importância da linguagem não-verbal nas relações de liderança nas organizações. Revista Esfera, Brasília, n. 1, p. 1-8, 2008. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/physis/2015.v25n1/307-320/pt/. Acesso em 03 jun. 2020.

SILVA, Eduardo Gomes da; FRANCISCO, Cláudia Cristina Batistela. Gestão de pessoas e a comunicação interna e externa entre gestores, funcionários e clientes nas organizações. 2019. Revista Científica E-Locução, v. 1, nº 18, p. 390-403. Disponível em: http://periodicos.faex.edu.br/index.php/e-Locucao/article/view/292. Acesso em: 03 jun. 2020.

SKLIAR, Carlos. A surdez: um olhar sobre as diferenças. 4 ed. Porto Alegre: Mediação, 2010.

SOUZA, Marcos Torres de; PORROZZI, Renato. Ensino de Libras para os Profissionais de Saúde: Uma Necessidade Premente. Revista Práxis. Volta Redonda, v. 1, n. 2, p. 43-46, 2009.

SOUZA, Maria Fernanda Neves Silveira de et al. Principais dificuldades e obstáculos enfrentados pela comunidade surda no acesso à saúde: uma revisão integrativa de literatura. Revista CEFAC, v. 19, nº 3, p. 395-405, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rcefac/v19n3/1982-0216-rcefac-19-03-00395.pdf. Acesso em: 24 nov. 2020.

WESTIN Ricardo. Baixo alcance da língua de sinais leva surdos ao isolamento. 2019. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/especiais/especial-cidadania/baixo-alcance-da-lingua-de-sinais-leva-surdos-ao-isolamento. Acesso em: 24 nov. 2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Prevention of deafness and hearing impairment. Disponível em: http://www.who.int/pbd/deafness/en/survey_countries.gif. Acesso em: 01 jun. 2020.




Revista Campo do Saber

ISSN: 2447-5017

Centro Universitário Uniesp

Rodovia BR 230, Km 14, s/n, Morada Nova. Cabedelo - PB. CEP 58109-303