O ANTIGO E O NOVO: MEMÓRIAS E VIVÊNCIAS NO CLUBE ASTRÉA

Anneliese Heyden Cabral de Lira, Yuri Marques de Farias

Resumo


O presente trabalho visa a importância do patrimônio histórico para a sociedade, seja em âmbito arquitetônico, cultural ou social, a arquitetura moderna, bem como as patologias recorrentes nessas edificações. A preservação dos bens que se dá através dos órgãos responsáveis, é importante tanto para o município como para a sociedade que ali vivem. O Clube Astréa, objeto de análise, detém de uma importância considerável no município de João Pessoa, é considerado uma das primeiras edificações de cunho modernista da cidade, como também foi palco de diversas atrações, a exemplo dos bailes de carnavais nas décadas de 1950 – 1980 frequentado pela elite pessoense. Todavia, no final da década de 1990 começou a ocorrer o seu declínio tornando o imóvel esquecido perante o município, atualmente o Clube encontra-se totalmente fechado, em decorrência do seu abandono o Astréa apresenta patologias. O trabalho possui como diretrizes o aprofundamento do termo patrimônio histórico tendo como vertente as patologias presentes nessas edificações antigas, assim como o entendimento da arquitetura modernista, estando presente na metodologia a revisão bibliográfica, análise de patologias em edificações históricas, levantamento de campo e análise documental. Os resultados se deram através de pesquisas documentais unido de uma elaboração de um questionário no qual as pessoas se submeteram a perguntas a respeito do Astréa, de modo que se obteve uma reflexão da importância daquela edificação, expondo resultados significativos da trajetória do Clube, mostrando que as pessoas tem boas recordações do lugar, sendo muitas vezes associado a lembranças familiares.

Palavras – Chave: Patrimônio; Arquitetura Moderna; Sociedade; Patologias.

Texto completo:

PDF

Referências


(IPHAEP), Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba. Patrimônio Histórico. 2020. Disponível em: < http://iphaep.pb.gov.br/ >. Acesso em: 01 dez. 2020.

(IPHAN), Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Patrimônio Histórico. 2014. Disponível em:. Acesso em 01 dez. 2020.

ABREU, Mauricio de Almeida. Sobre a memória das Cidades. Revista TERRITÓRIO, ano 111, nº 4, jan./jun. 1998.

BARBOSA, Antônio Eduardo Polisseni; HIPPERT, Maria Aparecida; SANTOS, White José; OLIVEIRA, Igor Moura; MONTEIRO, Karla Teixeira. Patologias de Edifícios Históricos Tombados Estudo de Caso – Cine Teatro Central. 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2020.

BARROS, L. A. R. de. Por uma arquitetura brasileira. São Paulo, 1995. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia Letras e Ciências humanas, Universidade de São Paulo.

BARTHEL, C.; LINS, M.; PESTANA, F. O papel do mapa de danos na conservação do patrimônio arquitetônico. In: Congreso Iberoamericano y VIII Jornada “Técnicas de Restauración y Conservación del Patrimonio”. Anais [...]. Buenos Aires: 2009.

BENEVOLO, Leonardo. História da Arquitetura Moderna. Editora Perspectiva. 2001. 374 p.

BRASIL. Governo Federal. Constituição do Brasil. Rio de Janeiro: 1934. Disponível em: < https://www.gov.br/planalto/pt-br >. Acesso em: 04. dez. 2020.

BRASIL. Governo Federal. Constituição do Brasil. Rio de Janeiro: 1988. Disponível em: < https://www.gov.br/planalto/pt-br >. Acesso em: 04. dez. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Compromisso de Brasília. Brasília:1970. Disponível em: < https://www.gov.br/planalto/pt-br >. Acesso em: 04. dez. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Compromisso de Salvador. Salvador: 1971. Disponível em: < https://www.gov.br/planalto/pt-br >. Acesso em: 04. dez. 2020.

CARVALHO, Wadson Mayckel. Patologias de edifícios históricos tombados: Estudo de caso – Convento das Mercês. São Luís, 2018. Dissertação (Mestrado) - Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico da Guarda. Disponível em: < http://bdigital.ipg.pt/dspace/bitstream/10314/3953/1/CC%20-%20Wadson%20M%20Carvalho.pdf >. Acesso em 17 dez. 2020.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. Editora UNESP. 1992. 12 p.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. Editora UNESP. 2000.

Congresso do Patrimônio Arquitetônico Europeu. Manifesto de Amsterdã. Amsterdã: 1975.

CRAVEIRO, Rodrigo. Centenário: I Guerra Mundial foi impulsionada pela Revolução Industrial. 2014. Disponível em: < https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/mundo/2014/07/06/interna_mundo,436172/centenario-i-guerra-mundial-foi-impulsionada-pela-revolucao-industrial.shtml >. Acesso em: 15 dez. 2020.

CIÊNCIA E CULTURA. Cienc. Cult. vol.65 no.1 São Paulo Jan. 2013. Disponível em: . On-line version ISSN 2317-6660. Acesso em 18 dez. 2020.

CUNHA, Claudia dos Reis. A atualidade do pensamento de Cesare Brandi. 2004. Disponível em: < https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/03.032/3181 >. Acesso em: 17 dez. 2020.

CUNHA, Claudia dos Reis. Alois Riegl e o Culto Moderno dos Monumentos. 2006. Portal Vitruvius. Disponivel em: < https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/05.054/3138 >. Acesso em 15 dez. 2020.

CURTIS. William.J.R. Arquitetura Moderna desde 1900. Editora Bookman. 2008. 11 p.

CURTIS. William.J.R. Arquitetura Moderna desde 1900. Editora Bookman. 2008. 15 p.

CURTIS. William.J.R. Arquitetura Moderna desde 1900. Editora Bookman. 2008. 33 p.

DECRETO-LEI N. 25 DE 30 DE NOVEMBRO DE 1937. Artigo 1°. Disponível em: < http://www.antt.gov.br/ >. Acesso em: 02 dez. 2020.

ESCRITÓRIO DOS MUSEUS DA SOCIEDADE DAS NAÇÕES. Carta de Atenas, Atenas:1931.

FIGUEIREDO. Lauro César. Perspectivas de análise geográfica do patrimônio cultural: algumas reflexões. 2013. Disponível em: < https://periodicos.ufsm.br/geografia/issue/view/523 >. Acesso em: 03 dez. 2020.

FRAMPTON, Kenneth. História Critica da Arquitetura Moderna. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000. 470 p. Tradução de Jeffeson Luís Camargo.

FUNARI, Pedro Paulo; PELEGRINI, Sandra C.A. Patrimônio Histórico e Cultural. 2009. Disponível em: < http://dialnet.unirioja.es>. Acesso em: 02 dez. 2020.

GOVERNO DA PARAÍBA. Disponível em: < http://iphaep.pb.gov.br/municipios-com-centros-historicos-tombados >. Acesso em: 01 dez. 2020.

GRAMMONT. Anna Maria. A Construção do Conceito de Patrimônio Histórico: Restauração e Cartas Patrimoniais. 2006. Disponível em: < https://riull.ull.es/xmlui/bitstream/handle/915/17901/PS_04_3%20_(2006)_11.pdf?sequence=1 >. Acesso em: 10 dez. 2020.

GROPIUS, W. Bauhaus: nova arquitetura. 3a ed. São Paulo: Perspectiva S. A., 1972.

ICOMOS. Carta de Burra. Burra Austrália: 1980.

ICOMOS. Carta de Veneza. Veneza: 1964.

ICOMOS. Carta de Washington. Washington: 1986.

ICOMOS. Declaração do México. México: 1985.

JUNIOR, Valdeci dos Santos. A influência das Cartas Internacionais sobre as Leis Nacionais de Proteção ao Patrimônio Histórico e Pré-Histórico e estratégias de preservação dos Sítios Arqueológicos Brasileiros. 2005. Disponível em: < www.cerescaico.ufrn.br/mneme >. Acesso em: 02 dez. 2020.

KÜHL, Beatriz Mugayar. A restauração de monumentos históricos na França após a Revolução Francesa e durante o século XIX: um período crucial para o amadurecimento teórico. 2007. Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/15601/17175 >. Acesso em: 11 dez. 2020.

MIP. Carta de Restauro. Roma: 1972.

NIEMAYER, Oscar. Fundação Oscar Niemayer. 2020. Disponível em: < http://www.niemeyer.org.br/ >. Acesso em: 13 dez. 2020.

NUNES, Verônica Maria Meneses; Lima, Luís Eduardo Pina. História e Patrimônio Cultural. 2009. Disponível em: < https://www.cesadufs.com.br/ORBI/public/uploadCatalago/10250211102012Historia_e_Patrimonio_Cultural_Aula_1.pdf >. Acesso em: 15 dez. 2020.

OEA. Norma de Quito. Quito: 1967.

OEA. Resolução de São Domingos. São Domingos: 1974.

PREFEITURA DE JOÃO PESSOA. 2020. Disponível em: < http://www.joaopessoa.pb.gov.br/secretarias/setur/a-capital/ >. Acesso em: 01 dez. 2020.

REIS, N. G. Racionalismo e protomodernismo na obra de Vitor Dubugras. São Paulo: FBSP, 1997.

RIEGL. Alois. O Culto Moderno dos Monumentos: e Outros Ensaios Estéticos. Editora Edições 70. 2016. Cap. 1.

ROSCOE, M. T. Patologias em revestimentos cerâmicos de fachada. Monografia de Conclusão de Curso de Especialização em Construção Civil da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Belo Horizonte, 2008.

SANTOS, Maria da Graça. ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA, DOS PIONEIROS A BRASÍLIA (1925-1960). 2006. Disponível em: < https://www.up.edu.br/davinci/3/304_arquitetura_moderna_brasileira.pdf >. Acesso em: 13 dez. 2020.

SANTOS, M.W.L.C; MONTEIRO, L.M.S; FURTADO, F.A; CARNEIRO, M.D; MESQUITA, E.F.T; COELHO, F.C.A. Incidências de manifestações patológicas em edificações históricas de Sobral – CE. 2013. Disponível em: < https://www.researchgate.net/profile/Esequiel_Mesquita/publication/278305245_Incidencia_de_manifestacoes_patologicas_em_edificacoes_historicas_de_Sobral_-_CE/links/55e9e1fb08aeb6516265dbf8.pdf >. Acesso em 09 dez. 2020.

SCIFONI, Simone. Patrimônio Mundial: do Ideal Humanista a Utopia de uma Nova Civilização. 2003. Disponível em: < https://www.revistas.usp.br >. Acesso em 14 dez. 2020.

SEGAWA, Hugo Massaki. Arquiteturas no Brasil 1900 – 1990. 2. ed. Editora da Universidade de São Paulo, 2002. 44 p.

SEGRE, Roberto. Jean-Louis Cohen e a arquitetura da guerra: Um vazio na história da arquitetura: 1939-1945. 2012. Disponível em: < https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/11.124/4280 >. Acesso em: 16 dez. 2020.

TINEM, Nelci; TAVARES, Lia; TAVARES, Marieta. Arquitetura Moderna em João Pessoa. 2016. Disponivel em: < http://docomomo.org.br/wp-content/uploads/2016/01/Nelci-Tinem.pdf >. Acesso em 12 dez. 2020.

TINOCO, J. E. L. Mapa de Danos - Recomendações Básicas. Textos para Discussão, v. 43, série 2: Gestão de Restauro. Centro de Estudos Avançados da Conservação Integrada (CECI), Olinda, 2009.

TREVISAN, Rosina. Técnicas Construtivas e Patologias. Livro 03, Unidade 4: Patologias nas Construções Históricas. 2001

UNESCO. 2020. Disponível em: < https://nacoesunidas.org/agencia/unesco/ >. Acesso em: 07 dez. 2020.

WOLF, José. “Acácio Gil Borsói”. A&U - Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, n.84, p.35–41, junho/julho 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Acta Scientia

ISSN: 2596-2078

Centro Universitário Uniesp

Rodovia BR 230, Km 14, s/n, Morada Nova. Cabedelo - PB. CEP 58109-303